As baratas transmitem microrganismos responsáveis por várias doenças nomeadamente herpes e conjuntivite.

As baratas são consideradas uma das espécies com maior sucesso evolutivo, habitando a Terra há mais de 3500 mil anos e com mais de 4500 espécies documentadas. 

A fêmea produz uma bolsa protetora de ovos, em forma de bolsa fechada, designada de ooteca, onde se encontram os ovos cujo número depende da espécie.

As baratas podem provocar danos à saúde humana, danos à saúde animal e prejuízos económicos. Atuam como vetores mecânicos de diversos agentes patogénicos tais como: bactérias, vírus e protozoários, responsáveis por doenças como cólera, febre tifóide, toxoplasmose, herpes, conjuntivite, infeções urinárias e intoxicações alimentares. Estes agentes patogénicos são transportados no corpo, patas e fezes. Podem ainda causar problemas ao nível dos equipamentos elétricos, contaminação de alimentos e locais de trabalho.